Tratamentos estéticos sem cirurgia à base de cultivo celular

Especialistas mexicanos começaram a aplicar tratamento sem cirurgia para remover imperfeições da pele com base no cultivo de células produtoras de colágeno e elastina tiradas do próprio paciente, um novo método que está disponível em poucos países

EFE

Artigos relacionados

Quinta-feira 06.09.2018

Quinta-feira 06.09.2018

Terça-feira 14.08.2018

A técnica consiste em desvanecer-rugas no rosto e pescoço com o uso de fibroblastos, células do tecido conjuntivo que produzem as proteínas de colágeno e elastina, que desempenham um papel chave na manutenção e reparação de diversos tecidos.

“É um método para o preenchimento facial que tem bons resultados de forma temporária e não deixa sequelas para o futuro, pois o tratamento é natural e provém das próprias células do paciente”, o que não provoca rejeição, explica a EFEsalud a especialista Silvia Espinosa.

A responsável pela área de Cirurgia Plástica e Reconstrutiva do Hospital Geral do México esclarece que, mesmo quando o tratamento é eficaz”, continua a ser “muito caro” (em torno de 2.000 dólares), em comparação com outras opções.

México, alto interesse pelos métodos de beleza

De acordo com a especialista, o México está na vanguarda métodos de beleza especializados, mas reconhece que o principal risco é que as pessoas estão cada vez mais expostas a “charlatanerías”.

Exemplo disso é que muitas pessoas, inclusive celebridades, vão a lugares não certificados como clínicas de beleza, onde são aplicados produtos alheios ao corpo que são perigosos, diz.

O tratamento com fibroblastos, originalmente desenvolvido no Brasil e, posteriormente, nos Estados Unidos, só pode ser aplicada por médicos especializados (cirurgiões plásticos ou dermatologistas).

O procedimento, que ainda não é muito conhecido entre os mexicanos, começa com a extração de fibroblastos do lóbulo de uma orelha do paciente por parte de um médico, explica a EFEsalud Rodrigo Fabiano, responsável pela área de vendas da empresa mexicana Banco de Cordão Umbilical (BCU).

“Os resultados podem ser vistos a partir dos seis meses ou até um ano após a primeira aplicação, e ao contrário de outros produtos, como o botox, que é uma toxina e uma substância estranha ao corpo, é uma célula própria que ajuda a recuperar a textura da pele”, diz Fabiano, que acrescenta que o efeito dura de quatro em quatro anos.

Cuidar do aspecto físico

Segundo o executivo, o interesse de cuidar e melhorar o aspecto físico dos mexicanos “está a aumentar”, por isso esta é uma boa opção “para devolver a beleza, juventude, segurança e confiança aos homens e mulheres que procuram reverter as imperfeições.

Se bem que é mais caro do que outras opções não cirúrgicas, em comparação com uma cirurgia estética facial, que custa até 90.000 pesos (cerca de 7.000 dólares), o tratamento com fibroblastos é relativamente acessível com 25.000 pesos (cerca de us $ 2.000).

Uma vantagem adicional, expõe Riquelme, é que parte dessas células podem ser guardadas por cerca de 78 dólares em BCU, centro pioneiro no México na criopreservação de células estaminais do cordão umbilical, mais uma pequena taxa anual, e, no futuro, ser utilizadas para outra aplicação.

O BCU tem cultivado até agora cerca de 350 amostras de fibroblastos (70 % mulheres e 30 % dos homens entre 40 e 50 anos).

A pele fica “fresca e lozana”, diz ao explicar que se trata de um tratamento “muito natural” que ela mesma testou antes de introduzi-lo em sua clínica de beleza e ficou impressionada com os resultados.

Explica que, nos últimos meses, foi aplicado o tratamento de aproximadamente 50 pacientes homens e mulheres que querem se cuidar e se sentir bem, a maioria no rosto, mas também pode ser pescoço, decote, mãos e até os joelhos.

Mônica Amor está trabalhando em um protocolo de pesquisa após a aplicação de fibroblastos em um homem que sofria de psoríase, teve resultados muito positivos. “Vamos fazer um protocolo para infiltrarle na espinha para ver como ele reage a psoríase”, informa.

(Não Ratings Yet)
Loading…

Leave a Reply