Tomate, grande antioxidante e fonte de vitamina C

Tomates. EFE/ARQUIVO/John Watson-Riley

Artigos relacionados

Segunda-feira 03.09.2018

Terça-feira 28.08.2018

Segunda-feira 20.08.2018

O tomate é um dos produtos alimentares mais populares. Quase todo mundo tem em casa e o seu consumo é muito frequente. Ele chegou a sua vez de jogar o Abecedário da Nutrição de “O Bisturi”, pela mão do responsável de nutrição e saúde da Nestlé, Anabel Aragão.

Tudo sobre o tomate

Qual é a sua origem?

A tomatera é originária do continente americano, ao que parece, do Peru e Equador e, em seguida, se espalhou para a américa Central. A sua introdução na Europa se fez no século XVI, e acredita-se que, no princípio, foi utilizada como planta ornamental, mesmo há escritos que descrevem como uma possível planta venenosa daquela época. Sabe-Se que em meados do século XVIII já se começava a cultivar com fins alimentares.

Como é uma fruta ou um vegetal?

Podem ser colhidos sem danificar falando, o tomate é uma fruta, é o fruto da planta herbácea do fruto das solanáceas.

Do ponto de vista alimentar o tomate é um vegetal, já que não consumimos como sobremesa, mas em cru, em saladas ou cozido em muitos pratos. Daí vem a confusão, porque o usamos como tempero em pratos principais, ou prato próprio, por isso o consideramos uma hortaliça mais.

Quais são suas propriedades nutricionais?

É uma planta baixa em calorias, benéfica para a saúde; fornece nutrientes essenciais para o organismo como as fibras e a vitamina C, que sabemos contribui para o funcionamento normal do sistema imunitário e nervoso.

Reduz o cansaço e a fadiga, e protege as células do dano oxidativo devido à sua capacidade antioxidante. Também é essencial na formação do colágeno, ossos, cartilagens, dentes, gengivas, pele e vasos sanguíneos.

Além disso, favorece a absorção do ferro, por isso sempre recomendemos tomar frutas e vegetais crus -lembre-se Anabel Aragão-que são a única fonte de vitamina C, depois de um prato de legumes, para que o ferro destas é absorvida muito melhor.

A fibra desempenha um papel relevante no movimento intestinal, a regulação dos níveis de gordura no sangue e o assentamento e a seleção de nossa flora intestinal.

Quais são as diferenças na variedade de tomates?

É verdade que existe grande diversidade em termos de dureza, tamanho, cor de pele, formas ou até mesmo a durabilidade podendo encontrar tomates longa vida que são mais consistentes e cuja polpa é firme, e inteiro muito tempo, mas à custa de sua textura carnuda, aroma e sabor.

Encontramos tomates grandes e arredondados como “grande sol”, “coração de boi”, outros médios como o “Daniela”; pequenos como o “Canário”, “Pêra” ou o mais pequeno do que é o “Cherry”.

Por sua forma e cor destaca-se “Raff”, um tomate verde com inúmeros ombros e sulcos e de sabor e aroma muito intenso e apreciados. Também pela sua cor marrom esverdeada e é arredondado, está o “Tumaco”, uma variedade de sabor intenso e suculento.

Algumas variedades de bom sabor e textura são o “Valenciano”, “Porto” ou “Muchamiel”, e o tomate “Desfiladeiro”, original de Almería, tem mesmo de um distintivo especial de qualidade.

Podemos comprar outros que estão ensartados em ristras e que se desligam para consumir fora de temporada, geralmente para barrar no pão ou para receitas de inverno.

Também estão os tomates secos, que são conservados em azeite de oliva, típicos de algumas receitas da dieta mediterrânea.

Usos culinários e temporalidade

O tomate, junto com a cebola, é uma das hortaliças mais consumida durante todo o ano. Podemos usar em pratos muito, desde compotas e molhos, até o gazpacho típico de verão.

Embora possamos encontrar tomates durante todo o ano, a época ideal é a partir do mês de junho até setembro. Durante essa época, são mais saborosos e respeitosos com o meio ambiente.

Você pode fazer:
-Saladas
-Frito
-Colocar em fatias /manchada sobre o pão
-Molhos
-Sucos
-Gaspacho
-Assado
-Recheios
-Pisto

Podemos preparar de mil maneiras com tubérculo como base, para massas, carnes ou peixes, mesmo com ovo, estofados ou arroz.

Dicas de compra e conservação

Na hora de comprá-los é importante fixar que a sua pele brilhante e macia; e que a polpa seja firme. Dependendo da variedade, há que pegar cores diferentes.

Pintones quase verdes para prolongar o seu tempo de consumo se são tomates, de vida curta, que são comercializados no verão e são de textura mais macia. Estes são bons para saladas.

Vermelhos se forem para gazpachos ou molhos.

Os de longa vida, geralmente são as que compramos no inverno, é importante segurá-los vermelhos intensos e polpa firme, pois o seu sabor é melhor.

Para sua conservação, o melhor é tê-los em um lugar fresco, evitar colocá-los na geladeira, porque o seu sabor e textura se altera um pouco.

Se tem que colocar na geladeira, Anabel Aragão recomendável colocá-los na sua zona mais moderada, que são as gavetas de legumes, e tirá-los antes de seu consumo.

(Não Ratings Yet)
Loading…

Leave a Reply